ORGANIZAÇÕES EXPONENCIAIS E O IMPACTO NA LIDERANÇA

Posted by:

Há alguns anos estamos vivenciando um período de transformações e mudanças, mas, algo surpreendente aconteceu, desafiando, o modo linear de viver e prever o mundo global. E estas transformações e mudanças tornaram-se exponenciais, como diz Peter H. Diamonds, autor do livro Organizações Exponenciais,  “Bem-vindo à época das mudanças exponenciais, o melhor momento para alguém viver”.

É impossível não notar como as Organizações Exponenciais criaram uma maneira totalmente inovadora de construir e fazer negócios, ” produzindo, impacto e/ou resultado, desproporcional, grandioso, 10 vezes maiores em relação aos seus pares”. Estas organizações lideram uma nova realidade e alteraram e vão continuar alterando o mundo global, o jeito como vivemos e trabalhamos.  São organizações apoiadas na base tecnológica, no propósito de proporcionar transformações significativas para um grande número de pessoas, são ágeis, leves, flexíveis, rápidas, colaborativas, disruptivas, estando prontas para caminhos não imaginados, mantendo um processo dinâmico de evolução acelerada e contínua.

Falando assim, Organizações Exponenciais, podem parecer desconhecidas, mas, citando algumas delas, é fácil, tomarmos consciência do impacto delas no mundo, nos negócios, nas lideranças, no mercado de trabalho e nas nossas vidas diárias: Uber, Google, Airbnd, Waze, Netflix, Amazon, Facebook, Instagram, são algumas delas.   O que estas organizações fizeram, mudaram o modo de fazer fazer negócios, operam e transformam vida de maneira diferenciada e ampla.

As Organizações Exponenciais deram poder e liberdade ao consumidor, trabalhando para impactar a sua mente e coração , substituíram as estruturas hierárquicas matriciais, por ecossistemas colaborativos, engajados, dando autonomia e liberdade e engajando no compromisso com o resultado; estabeleceram o trabalho sob demanda, propondo uma nova forma de trabalhar aos  líderes, aos profissionais; socializaram o conhecimento e as informações digitais, usaram as tecnologias exponenciais como a robótica, a inteligência artificial,  impressão 3D, internet para eclodir as fronteiras  do mundo dos negócios,  expandiram de dentro para fora,  enfim, são muitas  particularidades que estas organizações introduziram no cenário linear e lógico que conhecemos e ainda vivemos.

O mindset fixo, os modelos de negócios lineares não fazem mais sentido no mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo..  As organizações, as lideranças e os profissionais precisam entender que houve a ruptura com o Século XX e cabe aos líderes construir o propósito e ajudar a mudar a Cultura Organizacional, transformar os modelos mentais tradicionais de negócio, de modo, a promover a adaptação e a reinvenção para esta nova realidade.

O líder exponencial apresenta quatro perfis, segundo a Singularity University:

  1. Futurista: Capacidade de enxergar o cenário e informações atuais e idear novos caminhos, a partir do imprevisível, antever o futuro, ou seja, o líder deve ter uma curiosidade e um poder de análise do futuro aguçados.
  2. Inovador: Capacidade de arriscar, aberto a novas ideias, a criatividade e a experimentação. Acreditar e trabalhar com a incerteza como uma oportunidade. Foco no indivíduo, no cliente, nas suas dores e nas suas necessidades.
  3. Tecnólogo: Conhecer tecnologia, entender a tecnologia atual e a orientação desta para o futuro e analisar e prever como esta tecnologia sob todos aspectos afetará as organizações e o meio social.
  4. Humanitário: Utilizar todas as capacidades anteriores para ajudar a vida das pessoas com quem trabalha e a sociedade. Estar empenhado em propiciar um ambiente saudável, com significado e propósito, positivo, que propicie pessoas alinhadas, comprometidas, engajadas e proporcione inclusão e diversidade.

Podemos perceber o impacto da época Exponencial para os líderes, que começa pela liderança e desenvolvimento de si mesmo para o eixo disruptivo; propagador e inspirador da nova cultura organizacional e modelo de negócio, que necessitam do mindset de crescimento, novas competências, habilidades e conhecimentos e o desligar o que está defasado; prever o melhor cenário para sair do seu estado atual de negócios e explorar, experimentar e inovar o caminho para o modelo desejado.

Algumas características dos líderes exponenciais:

  • Visão ampla e propósito, as ExOs pensam “grande” e sua visão são verdadeiras declarações de aspirações, que trabalham com a alma, a mente, o sonho e interesses das pessoas de dentro e de fora da organização. Então, o líder exponencial precisa ter esta visão ampla do mercado global e  desenvolver o Propósito Transformador Massivo (PTM).
  • Visão inovadora, quando falamos em inovações nas ExOs, não estamos falando das inovações de produtos e serviços, de dentro para fora, estamos falando em uma inovação profunda em todo o âmbito organizacional. O líder exponencial concede autonomia e liberdade, possui a capacidade de descentralizar as decisões, possui comunicação clara, transparente,  utiliza  ofeedback, pratica a avaliação continua,  entende o criar, melhorar, agir, reagir, criar de novo.
  • Promover a autonomia, criar equipes colaborativas, incentivar o processo criativo, valorizar a experimentação, erros novos, melhorias oriundas do processo de inovação contínua e acelerada.
  • Detectar oportunidades, as ExOs são muito ágeis em utilizar os avanços tecnológicos e promover a inteligência dos dados, desta forma, conseguem entender o mercado e identificar as oportunidades. O líder exponencial está conectado com esta experiência, de modo, que possa visualizar oportunidades em qualquer lugar e ao mesmo tempo construir alianças.
  • Tomada de decisão baseada na previsão, utilizando-se da inteligência dos dados e acompanhamento de cenários.
  • As ExOs têm um novo conceito social e compreendam o poder das pessoas, conectado ao uso da tecnologia, uma rede de colaboração, onde habilidades, talentos e conhecimentos se complementam e promovem o indivíduo como parte de uma comunidade global. O líder exponencial precisa atuar de maneira positiva, encorajadora, promovendo o trabalho significativo, que possibilite a realização de potencial, talento e vocação; o engajamento, pois, o ser humano é um ser social, se está em conexão, assume o papel colaborativo. Podemos observar nas ExOs, os ambientes de trabalho descontraídos, colaborativos e como este se expande para fora, onde muitos clientes/usuários se tornam colaboradores.

A Época Exponencial faz parte das nossas vidas e temos muito o que aprender, explorar para encontrarmos as oportunidades, porém, precisamos propiciar as transformações, começando por mudar o nosso pensamento linear e investir cada dia mais numa vida pessoal e profissional com propósito.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
0

About the Author:

Administradora de Empresas, especialista em Liderança e Gestão de Pessoas associada a área de Negócios, Master Business and Executive Coach, Professional and Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, certificadas pelos órgãos internacionais: Global Coaching Community, European Coaching Association, Metaforum International,Behavioral Coaching Institute, International Coaching Council)e International Association of Coaching. Practitioner em Programação Neurolinguísitica pelo Elsever Institute , certificada pelos órgãos internacionais:The Society of Neuro-Linguistic Programming, The Society of Neuro-Linguistic Programming - Richard Blandler. Liderança e Gestão em Recursos Humanos ligado as áreas de negócios, atuando há mais de 20 anos na área de Desenvolvimento Organizacional, e Humano, tendo desenvolvido e liderado projetos e em grandes empresas, entre eles Martins Comércio e Serviços de Distribuição S.A, Grupo Air Liquide, BSE . Forte experiência em todos os subsistemas de Recursos Humanos e sua aplicação para transformação e potencialização de resulttados, através das pessoas. Coach para construção de negócios e reestruturação de Organizações Coach de Executivos, Liderança e Carreira.Consultora para projetos Organizacionais e Pessoas. Diretora de Expansão e Regionais da ABRAPCOACHING - Associação Brasileira dos Profissionais de Coaching. Autora da Coluna de RH do jormal Correio de Uberlânda de 1998-2001, artigos na Revista ProCoaching, entre outros.
  Posts Relacionados