Humanos e Robôs – RH Estratégico e Exponencial

Posted by:

Muito se tem falado sobre o papel estratégico de Recursos Humanos para que a Organização, se faça forte no presente, visando estar presente no futuro.

Para isto um Diagnóstico Organizacional que venha encontrar a ressonância entre a Estrutura, os Processos e as Pessoas (Corpo, Mente e Alma) e das pessoas com elas mesmas, se faz necessário.

Por quê?

Porque algumas perguntas instigantes precisam ser respondidas, analisadas e ter o seu plano de ação elaborado para fazer a ponte para o futuro.

Quem precisamos atrair, desenvolver e engajar, para dar sustentabilidade ao Planejamento Estratégico da Organização?

Sabemos onde estão os hiatos Organizacionais na Estrutura, nos Processos e nas Pessoas?

Como as pessoas estão engajadas com o Propósito, a Missão, os Valores e a Visão Organizacional?

Como são os líderes:  inspiram e dão a visão e fazem a visão acontecer?

Como estamos cuidando do desenvolvimento dos nossos líderes, o quanto é investido em Autoconhecimento, Autoliderança e ambiente de aprendizagem constante?

Como os nossos líderes estão investindo o seu tempo para desenvolver suas equipes?  Nós damos os treinamentos e as ferramentas certas, para que possam exercer uma liderança positiva, que resulte em engajamento e equipes de alta performance?

Qual o trabalho que está sendo feito para envolver os colaboradores, num Mundo em Reconfiguração? O trabalho que estamos fazendo é congruente, com o mundo interno e externo da Organização?

Como as lideranças estão informando o plano de voo?

Sabemos quem está dentro ou fora do voo? Quais as oportunidades e as ameaças? Como podemos reverter os desafios em oportunidades para a evolução Organizacional?

Qual é o conhecimento, as habilidades, as atitudes, os valores e o ambiente disponível para uma jornada de sucesso?

Quais são as competências do Século XXI e Exponenciais que fazem a diferença e precisam estar na Organização?

Estas são algumas das perguntas que precisam ser respondidas, avaliadas para estabelecer um plano de ação ágil, com dados para prever, imaginar e criar o caminho, mesmo num cenário que muda com rapidez.

Quando falamos do RH Estratégico temos de pensar: Conhecemos a nossa Organização e sabemos do que precisamos executar para que o presente, seja uma ponte para o futuro? Estamos olhando com lentes de aumento, o mundo interno e o externo e preparando a Organização para atender o cliente?  Todos, sem exceção, estão preparados com a mesma sintonia, com foco no resultado para o cliente, através de uma rede extraordinária, da Recepção à Presidência?

Para um RH estratégico, 4.0, exponencial, precisamos desenvolver:

  • Uma marca empregadora congruente,
  • Ter tecnologia aplicada e ferramentas que permitam amparar fortemente as necessidades da evolução organização, atraindo, desenvolvendo e engajando colaboradores, que sejam aderentes ao propósito Organizacional e que tenham capacidade para se entregar aos resultados Organizacionais, mantendo uma vida pessoal e profissional com propósito.
  • Contratar com foco nas soft skills e ter base para desenvolver as hard skills, que se farão necessárias, aqui, vamos abrir um parêntese (o conhecimento está precisando ser aprendido, reaprendido com uma velocidade acelerada).
  • Flexibilização da jornada mantendo o engajamento,
  • Introdução ao empreendedorismo interno para capturar o interesse,
  • Coaching para o desenvolvimento do autoconhecimento pessoal e uma Cultura Organizacional positiva e de alta performance.
  • Mentoria e mentoria reversa para harmonizar e ampliar os resultados entre as gerações, combinar o melhor para resultados exponenciais.
  • Uso da Inteligência Artificial.
  • Desenvolver a Felicidade Interna Bruta.
  • Criar indicadores e trabalhar com eles para tornar a jornada ágil e eficaz.

Onboarding

Baseando, na expressão, “a primeira impressão é a que fica”, nada mais importante que cuidar da entrada do colaborador, fazer um processo de Onboarding, no qual ele possa conhecer a seu papel, responsabilidades e entregas, conhecer o seu líder, conhecer a sua equipe trabalho, conhecer a sua Organização e como ele pode construir sua jornada em conexão com o seu papel, liderança, equipe e Organização.

Engajamento

Agora, o colaborador está dentro, como mantê-lo aliançado com a Organização? A primeira coisa é que cada colaborador faz parte do sistema Organizacional, porém, cada colaborador é diferente e precisamos entender estas diferenças e utilizar os recursos tecnológicos e apoio de processos de Mentoria, Coaching e treinamentos, que podem nos ajudar nesta missão.

O sucesso é manter o capital humano que contribui para a criação da Cultura, realização da missão, e da visão da Organização, embasado nos valores e no propósito e o fracasso é perder o capital humano, que envolve não só o contexto financeiro, mas, a ruptura do sistema. Sistemas e ferramentas, processos, que apoiam, o engajamento devem ser buscados, levando-se, em conta, a “contribuição” autêntica para:

  • otimização dos recursos, dos potenciais e das competências,
  • facilitação e apoio para a Liderança, no despertar da próprio autoconhecimento e desenvolvimento da autoliderança, para que possa desenvolver a si mesmo, os talentos e as equipes de alta performance;
  • otimização dos programas, que produzam ressonância no desenvolvimento dos pilares de conhecimentos, habilidades, comportamentos, valores e ambiente e contribuam para a trilha de desenvolvimento das competências do hoje e do amanhã;
  • sistema de informação dos talentos e seus estágios de prontidão para a realização do propósito Organizacional.
  • criar uma trilha para carreira, clara e transparente para líderes e colaboradores, capaz de mostrar as necessidades de evolução.
  • criar uma forma de conciliar e exponenciar o trabalho das diferentes gerações.
  • proporcionar o despertar da consciência do potencial, bem como se encontram competências, valores e propósito, dentro da biográfica de cada um.
  • dotar a Organização de uma visão holística dos líderes, profissionais e equipes para elaboração do melhor planejamento, desenvolvimento, ação e aprendizagem.
  • estabelecer indicadores de Capital Humano que proporcionem o movimento contínuo e engajado com o planejamento estratégico Organizacional.
  • Transformar turnover em adaptação e pertencer; absenteísmo em produtividade; presenteísmo em engajamento e colaboração, falta de comprometimento em ideias, inovação e criação, falta de visão de carreira em visão de empreendedorismo interno.
  • Trazer a felicidade para o ambiente Organizacional para construção de resultados, baseado no propósito.

O engajamento é uma questão de ouvir, compreender e ter os dados certos sobre os colaboradores e monitorá-los para entender e oferecer, o que envolve o coração e a mente e conecta às pessoas ao propósito da Organização. O objetivo é conectar o que traz a alta tecnologia, a biotecnologia com o Ser Humano e construir uma Organização de resultados e feliz, que seja uma ressonância entre Estrutura, Processos e Pessoas.

Liderança

O desenvolvimento da Liderança é talvez um dos maiores desafios.  Por muitos anos, desenvolvemos excelentes gestores, hoje, vivemos o apagão de líderes. Além de todas as competências da Liderança, surgem as do Líder Exponencial, que traz uma nova dinâmica ao exercício da Liderança.

O líder exponencial tem de desenvolver as competências Futurista, Inovadora, Tecnológica e Humanitária:

  • visão de futuro, ver o presente e imaginar o futuro, através dos dados e informações, porém, usando o pensamento exponencial, a criatividade e o poder de imaginar e ir além;
  • inovação, o que significa não ter medo de arriscar, de apostar em novas ideias e criações, encarando, o desafio do Mundo Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo como uma oportunidade para ir onde os outros acham impossível;
  • entender o impacto da alta tecnologia e da biotecnologia na Organização, quais são as melhores alternativas e como são ecológicas ou não para a estrutura, os processos e as pessoas tanto no cenário interno como no eco, que fará ao Ecossistema; e, por fim,
  • ser humanitário, usando as competências futuristas, inovadoras e tecnológicas, realizando a minimização do hiato entre a tecnologia e as pessoas, criando um ambiente de trabalho com métricas congruentes, que proporcione relacionamento positivo, servidor, engajado, colaborativo, acolhimento a diversidade que resulte na felicidade de atingir o propósito e realização de resultados.

Autoconhecimento & Liderança

E tudo começa com o Autoconhecimento, com o propósito, que ajuda a construir as Organizações Extraordinárias e com elevado nível de satisfação para os Clientes, Colaboradores e Investidores e voltadas para uma jornada de sucesso exponencial.

A liderança que reconhece a si mesmo e foca no desenvolvimento de todas as pessoas que toca (cliente, colaboradores, investidores)  e no propósito organizacional para atingir os resultados e viver o  longo prazo, através e com as pessoas, em um ambiente, no qual, prevalece a aprendizagem,  o engajamento, os relacionamentos, a congruência, as ações éticas, o sucesso com a plena expressão da autenticidade

Desempenho e Resultados.

Quando falamos, em um mundo em transformação, rápido e ágil, é claro que, o desempenho, não pode ter métricas colocadas em dezembro do ano anterior e avaliadas em dezembro do ano posterior, neste espaço de tempo, o cenário muda e outras variáveis aparecerão. Para criar o envolvimento dos colaboradores com os resultados, eles precisam entender o que é esperado, ter o feedback, o feedforward, as  oportunidades de aprendizagem e o desenvolvimento compatível com as suas soft e hard skills  e ao mesmo tempo o líder precisa ter  a visão sistêmica de cada individuo e da equipe, para construir o desenvolvimento das equipes de alta performance e manter o envolvimento com o propósito e o resultado.

Desenvolvimento do Profissional de RH

Agora, que o RH assume seu papel estratégico é preciso aprender a ser estratégico, entendendo toda a Organização e buscar soluções, que a façam, diminuir as lacunas de Estrutura, Processos e Pessoas.

Adquirir a visão de mundo, aprender a aprender continuamente  muito além das antigas fronteiras do RH, compreender que estamos num momento imprevisível, onde as formações, profissões e o impacto da automação produzirão um cenário, totalmente, novo, e, que é preciso encarar a visão Humanos e Robôs e ao mesmo tempo incorporar a Humanidade, a Felicidade Interna para equilibrar a jornada do presente para o futuro e construir a gestão do amanhã.

A área de RH deve incluir suas próprias métricas, suas medidas de excelência para satisfazer o cliente interno e ajudá-lo a satisfazer o cliente externo, gerando o círculo dourado da organização voltada para cliente e assim realizando a sua vocação estratégica de desenvolver a Organização, que são as pessoas.

Resumindo:

  • Dê as pessoas motivos para entrar e para permanecer na Organização, trabalhando Propósito, Relacionamentos, Engajamento, Colaboração, Liderança, Empoderamento, Comunicação Holística.
  • Traga para a Organização, para os Líderes, sistemas, ferramentas, treinamentos para liderar pessoas e gerir processos. Facilite o projeto de Desenvolver Pessoas, que o projeto de desenvolver processos trará resultados diferenciados.
  • Crie dados que traduzam as informações da Organização e use-os para alimentar o processo de desenvolvimento das pessoas, para abastecer as Competências do hoje e preparar as competências para o amanhã.
  • Entenda o que conecta e o que desconecta as pessoas e atue para melhorias ágeis.
  • Abandone as atividades operacionais e incorpore as tecnologias, as necessidades do cliente e produza soluções, que gerem resultados.
  • Ajude a construir uma Organização que comece pelo “Por quê” e encante a mente e o coração dos clientes.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
0

About the Author:

Administradora de Empresas, especialista em Liderança e Gestão de Pessoas associada a área de Negócios, Master Business and Executive Coach, Professional and Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, certificadas pelos órgãos internacionais: Global Coaching Community, European Coaching Association, Metaforum International,Behavioral Coaching Institute, International Coaching Council)e International Association of Coaching. Practitioner em Programação Neurolinguísitica pelo Elsever Institute , certificada pelos órgãos internacionais:The Society of Neuro-Linguistic Programming, The Society of Neuro-Linguistic Programming - Richard Blandler. Liderança e Gestão em Recursos Humanos ligado as áreas de negócios, atuando há mais de 20 anos na área de Desenvolvimento Organizacional, e Humano, tendo desenvolvido e liderado projetos e em grandes empresas, entre eles Martins Comércio e Serviços de Distribuição S.A, Grupo Air Liquide, BSE . Forte experiência em todos os subsistemas de Recursos Humanos e sua aplicação para transformação e potencialização de resulttados, através das pessoas. Coach para construção de negócios e reestruturação de Organizações Coach de Executivos, Liderança e Carreira.Consultora para projetos Organizacionais e Pessoas. Diretora de Expansão e Regionais da ABRAPCOACHING - Associação Brasileira dos Profissionais de Coaching. Autora da Coluna de RH do jormal Correio de Uberlânda de 1998-2001, artigos na Revista ProCoaching, entre outros.
  Posts Relacionados

Adicionar comentário